quarta-feira, 15 de maio de 2013

Elementais: Fadas




Como tudo aquilo que vem das mitologias nórdica e céltica exercem grande atração em nossa cultura e acaba por misturar-se às nossas lendas e folclore, com as fadas não seria diferente. 


Fadas são elementais da terra que habitam as flores e fazem com que estas reproduzam-se. São, teoricamente, seres de luz, que trazem alegria ao coração humano, enfeitam a vida na Terra com beleza e trazem harmonia. Alguns dizem que é fácil confundir uma fada com um anjo, uma vez que a vibração de ambos é idêntica. O que os difere são as vestimentas que trazem. As fadas  sempre trajam vestidos de tecido fino, quase transparente, e esvoaçante, e por vezes, possuem asas de borboletas. Estão presentes em nosso imaginário desde a mais tenra idade e quem sabe em nossa realidade?


Quando crianças, escutamos muito falar na “Fada do Dente”; aquela que deixa uma moedinha ao recolher o dentinho de leite da criança, escondido embaixo do travesseiro. Esta tradição remonta aos vikings, que trocavam dentes por presentes.





Nos contos que levam seu nome, os contos de fadas, são recorrentes as fadas madrinhas, que sempre estão prontas a aconselhar e socorrer seus protegidos. É o que vemos na história da Cinderela, onde a moça é ajudada por sua fada madrinha a encontrar-se com seu grande amor. Mas, claro, é bom não esquecer-se que o feitiço termina à meia-noite, ou correr-se-á o risco de virar abóbora.





No filme Branca de Neve e o Caçador aparecem fadinhas que levam a garota ao encontro do unicórnio, aquele que abençoa a escolhida. É interessante observar na cena da floresta, que os anões, ao entrarem no jardim das fadas, reclamam da música ao constatarem que, tanto barulho, é resultado da felicidade dos pequeninos seres. 





Fadas também podem envolver-se amorosamente por seres humanos. Sininho, é o exemplo perfeito. Apaixonada pelo garoto que tem medo de crescer, Peter Pan; sempre enciumada e de mau humor, mas que sempre o ajuda quando o menino precisa.






E quem não se lembra da atrapalhada fada Bela, em Caça Talentos, que possuia duas fadas madrinhas, Margarida e Violeta? A garotinha que, criada por fadas, domina as artes e os segredos do outro mundo e pode ajudar ou muitas vezes, ainda que com boa intenção, atrapalhar as coisas na agência.

  

Existem ainda as fadas más, que, ao invés de cuidarem da natureza, atrapalham o trabalho das fadas boazinhas e, consequentemente, a vida humana. Contudo, fadas más não são bruxas. As fadas tem suas características bem definidas. Tudo na natureza possui sua dualidade, assim, como o ser humanos convive com opostos dentro de si mesmo. 



Um bom exemplo de fada má é a do filme Shrek, no qual encontramos uma fada que de madrinha não tem nada, por ser má, egoísta e que usa toda sua magia em prol interesses próprios.






No conto A Bela Adormecida, por ser a única fada não convidada para o batismo da princesa, lança o feitiço na menina, no qual, atingindo a idade adulta, a princesa espetaria seu dedo em uma agulha, o que a levaria à morte. Uma de suas fadas madrinhas ameniza o feitiço, fazendo com a moça tenha uma sono pesado durante 100 anos, podendo ser acordada assim que recebesse o beijo do verdadeiro amor. Entretando, tudo dá certo ao final do conto, uma vez que uma princesa nunca merece menos do que um final feliz.




As fadas, sejam elas boa ou más, povoam nosso imaginário, nos ensinando a acreditar no impossível e ter a certeza de que sempre teremos alguém a nos auxiliar em nossos momentos de dificuldade. Sendo elas reais ou não, é bom que não as percamos, para que não padeça a criança que existe em cada um de nós.



Maíra Vanessa

               


Fontes

http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Bela_Adormecida_%28conto%29

Nenhum comentário:

Postar um comentário